A vida da sociedade no sistema capitalista

Processo de industrialização, urbanização, êxodo rural, concentração de massa nos grandes centros, trabalho assalariado… tudo isso mudou radicalmente as concepções e estilos de vida nos últimos anos. Só agora, obviamente, vemos os reflexos e resultados desse novo comportamento.

Não preciso voltar a 1800 ou mesmo a um século atrás pra ver contrastes tão pesados, pois foi uma mudança realmente rápida: percebo ao ouvir meus pais contarem como era a vida em seu tempo (nascidos em 1950 e 1955). Só compravam aquilo que não podiam produzir. Faziam seus próprios doces, refeições com os alimentos tirados da horta, as frutas consumidas eram plantadas no quintal, costuravam as próprias roupas, produziam alguns dos próprios produtos domésticos (sabão, sabonete, óleo de fritura). Lembro de ter ficado impressionada de verdade quando minha mãe me contou que minha irmã só ganhou o primeiro par de sapatos aos 12 anos de idade e foi meu pai quem fez!

Com a modernização, entretanto, os espaços diminuíram, a demanda por trabalho fora cresceu, aumentou a necessidade e dependência do dinheiro e, at last but not least, começava a propagação da ideia de progresso individual.

E não, eu não sou contra a modernização. Não quero voltar para a idade da pedra ou coisa parecida, espero que esse não seja o contra-argumento de quem lê esse texto. Confesso que adoro ar-condicionado, microondas e sabem lá como sou adepta de computadores e internet. Porém, a questão aqui não é essa! A questão é: o que a modernização e a industrialização proporcionaram? Qual foi o resultado? O balanço geral é realmente positivo? O que isso significa para as pessoas e suas vidas?

Vejamos.

Foi preciso largar a horta, os animais, a família e ir para as fábricas. Deixar de produzir suas coisas, pois não era mais viável, para produzir para outrem – só assim teria dinheiro e poderia comprar aquilo que você, ironicamente, precisava e já produzia antes desse quadro. Era necessário trabalhar fora, era necessário conseguir dinheiro, era necessário sustentar a família, era necessário tempo… que ninguém tinha. O tempo encurtou! Mas que bom que tudo foi modernizado, assim o universo “conspirava” a seu favor para que tivesse mais tempo livre para… trabalhar. As máquinas fariam tudo por você: costurariam, lavariam, passariam, limpariam, economizando seu tempo. Assim você podia passar o dia inteiro fora, suando e ralando pra ganhar dinheiro e sobreviver, sem ter que se preocupar em fazer aquelas “ninharias”.

E foi assim que as pessoas se tornaram empregados inúteis: sabiam fazer o trabalho de fora, mas não sabiam fazer o trabalho para si. Desaprenderam e se tornaram dependentes por completo do dinheiro, já que não tinham mais a mesma autonomia e autossuficiência de antes.

Imagem

Trabalhar fora tantas horas por dia para sustentar a família acabou deixando o homem sem tempo para a própria família. Estresse, cansaço, falta de tempo para si, para o lazer, para a cultura, para a própria educação. Parece-me natural que isso seja suficiente para ruir a família e minar a vida de qualquer pessoa. Quem aguenta viver pra trabalhar ao invés de trabalhar pra viver? Em palavras menos sutis: viramos burros de carga, a trabalho de outros, sem independência e sem tempo para nossa própria vida…

…para enriquecer outras pessoas. Embora mascarassem isso como “necessidades de produção do país”.

 

E a mulher nisso tudo?

 Imagem

Vá lá que o marketing capitalista foi bom o suficiente para conseguir convencer a todos de uma tríplice aliança: progressão individual = independência financeira = trabalho assalariado. Se já estava ruim para o homem, antigo provedor da família, o que isto significava pra mulher?

A mulher era essencialmente uma doméstica. Esposa, mãe e dona de casa. Isso era pouco? Diga isso àquelas que tinham que cuidar dos filhos, lavar as roupas, cuidar da casa e fazer tudo isso sem ter tempo para seu próprio gosto/lazer e nem sequer ter voz para falar o que quer que fosse dentro de casa. É uma vida de merda, convenhamos. E se arrasta até hoje, infelizmente. Aí vem a bela tríplice aliança, propaganda master do capitalismo, para salvar nossas vidas: mulher, você agora é independente. Pode trabalhar para não depender de seu marido e ter sua autonomia financeira.

O que poderia dar errado? Nem preciso escrever, alguém já falou sobre isso:

A mulher, a mãe operária, sua sangue para cumprir três tarefas ao mesmo tempo: trabalhar durante oito horas num estabelecimento, o mesmo que seu marido; depois, ocupar-se da casa e, finalmente, tratar dos filhos. O capitalismo pôs nos ombros da mulher uma carga que a esmaga; fez dela uma assalariada, sem ter diminuído o seu trabalho de dona de casa e de mãe. Assim, a mulher dobra-se sob o triplo peso insuportável, que lhe arranca amiúde um grito de dor e que, às vezes, também lhe faz verter lágrimas. O afã foi sempre a sorte da mulher, mas nunca houve sorte de mulher mais terrível e desesperada que a de milhões de operárias sob o julgo capitalista durante o florescimento da grande indústria… (Alexandra Kollontai, 1982).

 

Difíceis tempos: pausa para um relato

 

Minha mãe começou a trabalhar com 9 anos como empregada na casa de outras pessoas. Nove anos. Ia para a escola descalça, com as poucas roupas que tinha, e me conta que ainda hoje lembra das próprias mãos roxas e rijas de frio, pois também não tinha luva. Ela morava no interior do Paraná. Que infância se pode ter quando começa a trabalhar aos nove anos?

Me doeu TANTO ouvir minha mãe dizer, certa vez: “Quando lembro da minha infância, eu fico tão triste. Tinha tantos sonhos, tantas coisas que eu queria ser, que eu gostava e não podia fazer nada. Não tinha tempo pra nada, não tinha tempo nem pra ser criança. Era só trabalhar, trabalhar, só falavam disso desde que a gente [os irmãos todos] era pequenininho. Que vida, meu Deus…”.

O dinheiro ficava em casa para ajudar minha avó a comprar as provisões. Com quinze anos, ainda empregada, mudou de cidade para trabalhar em outra casa. Foi forçada a casar, teve a primeira filha sozinha, na roça, com 16 anos. Quase morreu durante o parto, pois tinha uma péssima alimentação e não era raro passar fome. Enquanto meu pai trabalhava como massagista de futebol, minha mãe cuidava da casa, da filha, trabalhava e ainda lavava as roupas de todo o time para o qual meu pai trabalhava. Lavou durante 3 anos, com salário atrasado (na verdade, nunca recebeu) até que o time faliu e desapareceu. A segunda filha filha veio nesse meio tempo. Parida sozinha, em casa, pois meu pai estava fora trabalhando.

Pra ajudar o quadro maravilhoso, algo muito comum em muitas famílias, meu pai se tornou alcoólatra. Acaba sendo a válvula de escape de quem tem uma vida desse nível – também vemos atualmente.

Não preciso me prolongar, essa história é repetitiva. Foi uma vida difícil e sofrida. Essa era a vida não só da minha mãe, mas de muitas mulheres daquela época: casa, filhos, trabalho, falta de tempo para si, para diversão, para alienar-se do sofrimento, e ainda tinha suas obrigações de esposa. Sim, obrigações. Acabava sendo isso mesmo, concordam?

Voltemos ao texto, só para concluir.

 

Por que o problema central é o capitalismo e não a modernização em si?

 

A culpa não pode jamais ser jogada puramente em cima da modernização, pois ela não foi um meio, mas sim um fim. O problema foi focar a produção, a riqueza, o DINHEIRO em detrimento das próprias PESSOAS.

Não é um sistema minimamente humano, mas puramente materialista e exploratório. E a modernização não é um sistema, Mr. Obvious.

O capitalismo centralizou a vida de todos para o consumo e a produção/acúmulo de riquezas (a qualquer custo) e tirou-lhes o tempo para fazer o que quer que fosse fora isso. Trabalham muito, ganham pouco, gastam mais do que recebem (por incentivo midiático e alienação cultural impositiva) e não conseguem ter o menor a cultura, lazer e educação. Era o mínimo de se esperar.

Não é sem razão que haja tanto descontentamento, mas de tal forma esse modus operandi foi instaurado, estipulado e imposto que muitos se apegam a ele não veem como poderia ser diferente. Aprenderam que era justo e normal como as coisas corriam. Por que digo isso?

Uma luta recente que vi (e que venceu, felizmente!) foi a de amigos sindicalistas do setor judicial em greve por 200 dias (olha isso!) por melhores condições. Melhoria salarial e redução da jornada de trabalho – alguns, inclusive entre os próprios trabalhadores do setor – acharam isso absurdo. “Como assim quer ganhar mais e trabalhar menos?”, pensam e dizem abismados como se estivéssemos falando de roubar alguém ou deixá-lo à míngua. Como diria Rosa Luxemburgo: não enxergam as correntes que os prendem. É como gostar de ser escravo e ainda achar legítimo.

 

Consequências

 

Os resultados são claros, vemos se repetirem no nosso dia a dia, embora nem todos reconheçam seu verdadeiro caráter e muitos julguem de forma muito superficial. A desestrutura familiar, a saúde física e mental das pessoas, o aumento do crime, a mendicância – tudo isso está relacionado ao quadro capitalista daquela maravilhosa tríplice aliança.

Há os que se perdem nas ruas, no crime e/ou nas drogas por falta do exemplo familiar, mas que exemplo ter se ninguém na família tem tempo para ser gente/pai/mãe, pois todo o tempo é ocupado sendo empregado? Há aqueles que não podem estudar, não podem investir na própria educação e cultura, porque precisam desde sempre se matarem de trabalhar para conseguir sobreviver. Há aqueles que entram para o crime pra conseguir aquilo que lhes convenceram ser essencial, mas que não lhes dão oportunidades de ter também: riqueza (assim, querendo ou não, o roubo e o tráfico são consequências de um incentivo ao consumismo)…

Entre esses, há muitos outros exemplos. Ao fim, entretanto, estamos todos no mesmo barco: deixando a vida de lado, que é que realmente deveria importar, para dedicarmos a esta imagem que nos venderam, reforçando a base da pirâmide capitalista. Aceitamos a tríplice aliança, convencendo de que, realmente, progressão individual = independência financeira = trabalho assalariado. A vida é transformada em só mais um produto de consumo.

Anúncios

4 comentários

  1. Tenho visto que atualmente tem sido comum culpar o capitalismo pelo destruição moral e servidão ao consumismo, entretanto o capitalismo hoje é na melhor das hipóteses um morto vivo, mantido apenas em alguns aspectos para ter algo/alguem a culpar por tudo isso.
    Para que exista um capitalismo pleno primeiramente precisamos da liberdade, o que hoje é uma ilusão, pois precisamos permissão para produzir/trabalhar, daqueles que nada produzem ou trabalham. Segundo é preciso um estado mínimo, não um gigante que não para de crescer como hoje (não só no brasil mas em todo mundo), principalmente porque este gigante por definição de seu trabalho não produz nada, apenas tira de uns para dar aos outros por meio dos impostos, o que nos leva a outro ponto, a exigencia pelo povo de “direitos” implica obrigatóriamente na imposição de uma responsabilidade nas outras pessoas (e até nas mesmas que exigiram os direitos) que vem sob o nome de impostos e regulações, pois lembremos que para o governo dar qualquer coisa a um grupo, ele primeiro precisa tirar de outro. Terceiro, é preciso uma moeda e sistema bancário confiável que impeça o máximo manipulações, o início do fim foi em 1913 com a criação do Federal Reseve e finalmente em 1971 com o Nixon eliminando o lastro de ouro do dolar, e tornou a moeda um passivo e não um ativo em nossos bolsos, o que explica muitos motivos dos juros, dívidas, consumismo e modelo expansionista. Enfim, a bibliografia economica e política (Ludwig von Mises, Frédéric Bastiat, C. Wright Mills, Henry D. Thoureu, Alexis de Tocqueville, Ayn Rand, Peter Shiff e até mesmo Olavo de Carvalho…) sobre o assunto é vasta, e nos deixa primeiramente perplexos ao ver o que vem sendo feito, mas também nos ajuda a entender melhor o cenário para navegarmos com um pouco mais de chances nestas águas torbulentas.
    Porém, os problemas apresentados aqui são reais reais, atuais e críticos, mas não com raíz no capitalismo (do qual resta apenas alguns vestígios), mas sim de uma agenda globalista bem organizada e seguida a risca, que nos pôs no Caminho da Servidão (Frédéric Bastiat), com uma espécie de credetismo que tornou o sistema economico baseado no crédito (ou seja dívida) e não no capital (ou seja acúmulo de capital), não é atoa que a muito tempo o setor financeiro é muito mais lucrativo que o setor produtivo. Um sistema voltado para a redistribuição da riqueza por meio de impostos, e não no acúmulo e posterior investimento deste capital (exceto claro as grandes coorporações que se beneficiam do regime fascista implantado sem o povo perceber ou nem saber o que é isto). Um sistema focado no consumismo e não na produção, e destruir completamente os valores e padrões morais da família. Um sistema educacional voltado para formar operários servis e não cidadãos criativos e empreendedores. Implantação de uma cultura de direitos e não deveres, na qual a população insiste em exigir cada vez mais de um governo gigante e monstruos que não se cansa de extrair o máximo dos que produzem, distribuir algumas migalhas e ficar com a maior parte para aumentar ainda mais seu tamanho e poder controlar cada movimento da população. Apósler a constituição americana e os “Founding Fathers”, que em minha opinião é o cerne de um regime honesto e justo, e comparar com o que existe hoje me pergunto, o que aconteceu?
    Em 2001 morei em uma ilha do caribe maravilhosa que a população tem muitos direitos, promete um mundo perfeito de igualdade. Fiquei pasmo com o sucesso que fiz distribuindo sabonetes, pasta de dentes, alguns remédios e roupas usadas. A sociedade é tão próspera que muitos de seus habitantes ao longo das décadas tem se atirado ao mar cheio de tubarões pois acreditam não merecer tamanha benção. Fiquei um pouco chateado inicialmente quando um amigo que fiz nesta ilha resolveu me dar uma carona até uma praia e ele quase foi preso por não ter permissão de transportar um turista, mas logo fiquei tranquilo, pois o agente do governo disse que ele deveria pagar uma taxa para contribuir com o bem comum da sociedade cubana….
    O socialismo / fascismo (junção do governo com grandes coorporações) hoje está infiltrado em praticamente todos os governos, principalmente nos estados unidos onde a decadência é clara e o desespero mais ainda. Este está se tornando cada vez mais totalitário e finalizando com a destruição de uma sociedade, que já pôde ser chamada de “the land of the free”, por meios de desculpas esfarrapadas de defender seu povo e interesses, e espalhando, entre tantas, a ideologia (no pior sentido que esta palavra possa ter) de segurança e combate ao terror.
    Estes tentáculos estão chegando na america latina por meio do, tão discutido na mídia, Foro de São Paulo, grupo que parece estar na tentativa de ser um Bilderberg latino. Eles estão aqui para ficar, com a velha técnica de criar um problema com uma mão e apresentar a solução com a outra. Quando uma sociedade pune a honestidade, produção, e livre arbitrio, e recompensa a enganação, busca por vantagens sem trabalho e vulgaridade, vemos o prelúdio do desastre total, uma crise moral. Vejamos o que realmente está destruíndo sistematicamente os valores de uma sociedade próspera, livre, com responsabilidade e respeito.
    Meu intuito não é descreditar nenhuma opinião, mas discutir o assunto e tentar chegar o mais próximo possível da verdade, cultivar aquilo que me pareça o mais sensato para uma vida próspera materialmente, moralmente e espiritualmente. Pensemos antes em nossas responsabilidades, nossos trabalhos, o respeito com o próximo. Em seguida, desapegarmos nossas mentes da manipulação propagandista que insiste na tentativa de manternos no mundo altamente consumista (o que, no contexto atual, tem pouca ou quase nenhuma relação com o capitalismo verdadeiro, mas este assunto fica para uma outra oportunidade), imediatista e descartável imposto por esta agenda globalista. Infelizmente não conseguimos resolver tudo, mas se pudermos aos poucos reduzir os “globalistas” das nossas vidas muita coisa pode mudar, criticamos mas continuamos apenas usando copos descartáveis tomando coca cola e não água filtrada, usando o carro para ir até a padaria na esquina para comprar pão, ou comprar um produto só porque viu na televisão ou está “em promoção” e não porque realmente precisa…
    Bem, agora que estou exposto, só me resta assumir as consequencias e aguardar as críticas / opiniões.

  2. Adorei o seu texto! Muito inteligente e diz apenas a verdade que todo mundo se recusa em ouvir. Não vou discuti-lo aqui, mas vou te dizer que usei muitos de seus argumentos como base par um trabalho da faculdade sobre o tempo na vida moderna. Obrigada!!

  3. as pessoas que concordam que não da mais pra viver sob o julgo exploratório e escravista do capitalismo deveriam se juntar e forma tipo uma comunidade de ajuda coletiva com seu próprio banco e uma economia interna baseada em uma renda igualitária garantindo uma vida de classe média a todos,ninguém será rico mas também não terão que trabalhar longas horas por um salário mínimo.Com o próprio banco poderiam financiar empreendimentos e fábricas sem nenhum patrão ficando rico em cima do seu trabalho,as próprias pessoas gerindo a empresa de forma democrática.PENSEM BEM NiSSO,qualquer coisa meu email:wzwillianzatta@gmail.com

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s